Bem-vindo(a) à Linha Podológica. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Podologia, a ciência da área da saúde humana responsável pela investigação, prevenção, diagnóstico e tratamento dos problemas de saúde do pé e das suas repercussões no corpo humano.

Espero que este blog lhe seja útil!


Envie a sua questão

Este blog foi feito a pensar na saúde e bem-estar dos seus pés. Espero que lhe seja útil! Compostos por 26 ossos, 33 articulações, 20 músculos e mais de 100 ligamentos, os pés são o alicerce de todo o corpo, e é deles que depende o equilíbrio do aparelho locomotor. A saúde e o bem estar dos nossos pés deve ser mais do que uma simples preocupação estética e requer os cuidados especializados de um Podologista.
pesquisar neste blog
 
Artigos
Temas

2014

adução

alterações biomecânicas

amputações

anteversão femural

app

áreas de intervenção da podologia

associação portuguesa de podologia

barça

barcelona

bebés

bem estar

biomecânica

bolhas

bromohidrose

calçado

calçado adequado

calçado ideal

calçado inadequado

calçado infantil

calçado para criança

calos

calosidades

coma diabético

comichão

como escolher o calçado

competências profissionais

congresso

cuidados com o pé diabético

curiosidades

dermatofitia

dermatomicose

diabetes

diabetes mellitus

diabético

dieta do diabético

doctor of podiatrist medicine

dor nos pés

dor pés

dpm

excesso de transpiração

fasceíte plantar

fotografias

fotos

fotos de pés

fungos

glicose

gretas

helomas

hierhidrose

higiene

higiene do pé diabético

hiperhidrose

hipoglicémia

insuficiência de tecido adiposo

insulina

joanetes

mau cheiro

micose

micose nas unhas

micoses

micoses nas unhas/onicomicoses/fungos

neuroma de morton

onicomicose

onicomicoses

ortóteses

ortóteses plantares

palmilhas

papiloma vírus

papiloma virus

pé boto

pé cavo

pé chato

pé de atleta

pé diabético

pé plano

pele seca

pés

podiatra

podiatras

podiatria

podiatrist

podologia

podologia em portugal

podologista

podologistas

podólogo

podólogos

podologos

prurido

regulamentação da profissão

saltos altos

sapatos

sevilha

unha encravada

unhas

unhas encravadas

verruga

verrugas

todas as tags


Domingo, 13 de Janeiro de 2008
O Calçado e o doente Diabético
          Os pés dos pacientes diabéticos devem ser sempre objecto de estudo e dedicação para os podologistas dada a fragilidade das estruturas a ele inerentes, as deformações específicas dos pés e a ausência precoce de sensibilidade.
                     Na realidade, segundo estudos recentes, o calçado inadequado é o principal factor precipitante das lesões ulcerativas do pé diabético.
                     A instabilidade do pé diabético associada à falência de mecanismos de protecção intrínsecos e ausência de sensibilidade às agressões extrínsecas, aumentam o risco de aparecimento de hiperpressões, deformações e possivelmente ulcerações.
 
                     Quando existe ausência de sensibilidade do pé, o aconselhamento do podologista na compra do calçado é fundamental para protecção eficaz do pé e simultaneamente para correcção do seu posicionamento, com distribuição das hiperpressões, correcção das deformações reversíveis e protecção das irreversíveis.
  
          Se a sensibilidade estiver mantida, o diabético poderá adquirir o seu calçado, mas sempre com indicação que deve ser confortável, adaptado e protector.
  
          O calçado para diabéticos designado de semi-ortopédico de prevenção deve respeitar as seguintes características.
 
 
          Sapatos macios e maleáveis evitando costuras interiores, para evitar zonas de fricção, potenciais locais do aparecimento de lesões;
 
           A parte anterior ampla com boa caixa, biqueira arredondada, para evitar posicionamentos viciosos que possam contribuir de forma directa para a deformação dos dedos, onicocriptoses (unhas encravadas), hematomas subungueais, hiperqueratoses e um consequente meio interdigital quente e húmido facilitando a maceração da pele, originando a proliferação de fungos e bactérias;
 
           Deverá movimentar os dedos no sapato;
 
          O tacão deverá ter entre 2 a 2,5cm;
 
           A região dorsal do sapato deverá ter a capacidade de distensão mediante cordões ou velcro;
 
          Calcanhar com contraforte;
 
           Bordo de abertura do sapato almofadado;
  
          Sola rígida mas flexível e antiderrapante;
  
          Caixa alta e ampla, para sentir os pés confortáveis e bem adaptados aos sapatos, não devem ser apertados nem demasiado folgados, habitualmente adquire-se um número acima.
 
          Enquanto novos, não iniciar a marcha com períodos superiores a duas horas e deverá examinar cuidadosamente os pés.
 
          O diabético deverá experimentar os sapatos ao fim do dia, quando os pés se encontram mais edemaciados.
 
           Dentro do calçado semi-ortopédico temos os sapaos de prevenção que são os standardizados (já referidos) e os de ajustamento individual que permitem efectuar alterações personalizadas à deformidade do doente, como no caso de Hallux Abductus Valgus, joanetes, dedos em garra. O sapato ortopédico é aquele que é confeccionado através do molde do pé do doente.
  
          Depois de bem calçado deve-se avaliar todas as zonas sujeitas a traumatismo e confeccionar sistemas de alívio de pressão, como é o caso das ortóteses de silicone e das ortóteses plantares, podendo estes sere usados para a prevenção das lesões e para acelerar a cura das úlceras, nunca esquecendo a máxima PÉ - ORTÓTESE - SAPATO. 
  
 Texto adaptado da monografia do VIII Congresso Europeu de Podologia / I Congresso da Associação Portuguesa de Podologia: Uma Dinâmica Europeia; Conferência: "O calçado e o doente diabético", Dra. Rosa Teles Costa, Torre do Tombo, Junho de 2006
 
 


publicado por Dra. Joana Azevedo às 20:48
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Pé diabético e seus cuidados
Falando sobre a Diabetes...
Cuide dos seus Pés 
O açucar elevado – Hiperglicemia – no sangue pode afectar:
1. Os nervos dos Pés - Neuropatia
E assim, pode aparecer uma ferida sem que a pessoa se aperceba, porque não dói.
Andando sobre ela, pode levar a consequências desastrosas.
2. Os vasos que levam o sangue para os pés - Vasculopatia
As feridas que aparecem nos pés, sem sensibilidade e com circulação de sangue deficiente – pés diabéticos – infectam facilmente e são difíceis de tratar.
 
E porque nunca é demais lembrar...
Cuidados a ter com os Pés nos pacientes diabéticos
  1. Observe diariamente os seus pés e a planta, o calcanhar e os espaços entre os dedos, para ver se há zonas de cor diferente, bolhas, fissuras, calosidades, inchaço... Se não lhe é possível fazê-lo, por dificuldade na posição, use um espelho e se tem dificuldade de visão peça auxílio a outra pessoa.
  2. Lave os Pés todos os dias, durante 2 ou 3 minutos, usando sabonete neutro e água tépida (verifique sempre a temperatura da água) e não os “ponha de molho”. Seque-os muito bem, em particular nas zonas entre os dedos. Aplique um crème hidratante na planta e no dorso, (não entre os dedos), massajando bem.
  3. Use uma lima de cartão para desgastar as unhas, movimentando-a em linha recta de um lado para o outro.
  4. No verão não use sapatos sem meias.
  5. Use meias de fibras naturais(como a lã ou o algodão) sem costuras e que não apertem nas pernas.
  6. Nunca ande descalço, de forma a evitar lesões ou alterações na pele.
  7. Não aqueça os pés com bolsas de água quente, nem aproxime os pés de aqueçedores, lareiras ou outras fontes de calor.
  8. Antes de calçar os sapatos, verifique com a mão, se não há qualquer objecto dentro deles.
  9. Use sapatos confortáveis, adaptados ao seu pé, de forma que não haja zonas apertadas ou em que se exerça pressão excessiva. Os sapatos fechados protegem mais os pés, quer de “batidas ou topadas” quer de pedras ou areias.
  10. Nos calos não use calicidas nem outros produtos semelhantes.
  11. Nas calosiadades pode usar pedra pomes de forma suave, mas não use limas, lixas ou objectos de corte, que possam irritar a pele.

  12. O cigarro prejudica seriamente a circulação sanguínea.
  13. Consulte um Podologista regularmente de forma a prevenir qualquer tipo de alteração patológica.
Lembre-se que a prevenção é o melhor tratamento, especialmente se é diabético.
 


publicado por Dra. Joana Azevedo às 19:57
link do post | comentar | ver comentários (11) | adicionar aos favoritos

Diabetes Mellitus
Diabetes é uma Doença:
  v  Crónica, evolutiva, mas controlável
  v   Provocada por excessos “alimentares” 
    Associada a outras doenças como obesidade e hipertensão arterial
  Caracterizada por complicações em orgãos como: pés, olhos, rins e coração.
A diabetes não escolhe idades, afecta crianças, adultos e idosos.
 
Sintomas da Diabetes
O Pâncreas é uma glândula que produz e segrega INSULINA (nos ilhéus de Langerhans). Se a insulina faltar, o açúcar (glicose), proveniente dos alimentos, não pode ser usado pelo organismo como fonte de energia e a sua concentração aumenta no sangue. O excesso de açúcar no sangue é eliminado através dos rins, que para o dissolver, eliminam também um grande volume de água. Assim a pessoa urina mais (poliúria) e bebe muito (polidipsia) para compensar a perda de líquidos. Ao não se aproveitar o açúcar, as gorduras são queimadas e há emagrecimento.
Outra consequência é o aumento de apetite e o aumento do consumo de alimentos (polifagia). Quanto mais se come, mais aumenta a ingestão de açúcar, resultando isto num aumento do seu nível no sangue. Estabelece-se assim um cículo vicioso.
 
Principais Sintomas Característicos da Diabetes:
v      Cansaço;
v      Urina abundante;
v      Emagrecimento;
v      Aumento de apetite.
 
 Outros Sintomas:
É conveniente recordar que podem surgir outros sintomas, que por serem menos evidentes receben o nome de Sintomas Secundàrios:
v    Comichão generalizada ou nos orgãos genitais;
v   Propensão a infecções da pele (panarícios, furúnculos);
v      Dificuldades na cicatrização de feridas;
v      Infecção das gengivas;
v      Afrouxamento dos dentes;
v      Dor e formigueiro nas extremidades;
v      Alterações da visão.

 

Mas... a Diabetes pode não dar sintomas
 
       Nem todos os diabéticos apresentam estes sintomas; alguns apresentam um ou dois e mais de metade dos Diabéticos não têm nenhum sintoma.
       Existem portanto, diabetes ignoradas que por serem ligeiras não são acompanhadas de nenhum desconforto.
       O Diabético sente-se bem mas na realidade os seus orgãos internos (olhos, rins, nervos e em geral, todo o aparelho circulatório) estão a deteriorar-se como consequência de um mau aproveitamento do açúcar. Ao fim de algum tempo pode ser uma complicação maior a fazer com que a Diabetes seja descoberta.
       O Diagnóstico é fácil quando aparecem os sintomas principais. Pelo contrário, quando são os sintomas secundários a aparecer, a suspeita é mais difícil e apenas as análises sanguíneas e da urina, com exame específico, podem confirmar o diagnóstico.
       Muitas vezes a Diabetes é descoberta de uma forma casual quando se realizam análises de rotina por diversos motivos (check-up, cirurgia, etc.).
       Nas crianças e jovens o início da Diabetes é rápido, com sintomas mais claros e evidentes.
       Nos adultos e idosos o início é gradual, com sintomas não muito claros e não é raro um diagnóstico casual.
 
Diagnóstico da Diabetes
 O diagnóstico da Diabetes faz-se sempre por meio de análises.
 
Análises de glicose na urina
A existência de uma quantidade importante de glicose, mais de 15 ou 20 gramas, especialmente se acompanhada de acetona é geralmente sugestiva de Diabetes.
Valores mais baixos podem ser equívocos pois há outras situações em que podem aparecer. Por isso deve confirmar-se sempre com análises no sangue.
A ausência de glicose na urina não exclui a existência de diabetes já que em determinadas circunstâncias a glicose pode estar elevada no sangue sem passar para a urina.
Análises de glicose no sangue
O aumento da glicose no sangue é o parâmetro mais fiável para diagnosticar a Diabetes. Pode ser medida a diferentes horas do dia mas habitualmente faz-se a avaliação em jejum. Nos adultos, valores de glicose em jejum abaixo dos 110 mg/dl (plasma venoso) devem ser considerados normais. Quando aparecem valores superiores a 126 mg/dl em mais que uma ocasião pode fazer-se o diagnóstico de Diabetes. Uma única análise com valor alto de glicose não é suficiente para estabelecer o diagnóstico; é necessário confirmar esse valor com uma nova determinação noutro dia.
Quando a glicose no sangue está acima dos 180 mg/dl o rim não consegue evitar que ela passe para a urina e aparece glicosúria. Se a quantidade de glicose no sangue, em jejum, se encontrar entre os 110 mg/dl e os 126 mg/dl não pode ser considerado normal já que se trata de um valor alterado e que deve ser mantio sob vigilância
Em alguns casos é recomendado realizar a Curva de Glicémia, que consiste em tomar, em jejum, gicose (geralmente 75 mg) dissolvida em água e em seguida realizar uma série de análises em momentos distintos. Esta prova serve para aclarar situações duvidosas, no entanto, não deve ser realizada se houver a certeza que a pessoa é diabética pois a ingestão de glicose neste caso poderia ser prejudicial.
Quem pode ser Diabético?
A Diabetes é uma doença muito frequente.
Todas as pessoas podem ter Diabetes mas há algumas que são mais predispostas que outras.
Em metade dos casos a Diabetes passa despercebida, por isso é recomendado que as pessoas de maior risco façam testes.
Estas pessoas são:
v      Pessoas com mais de 45 anos e principalmente os idosos;
v      Pessoas com parentes em primeiro grau com Diabetes;
v      Obesos;
v      Mulheres que tiveram filhos com mais de 4Kg ou que tiveram hiperglicemia durante a gravidez;
v      Mulheres que tiveram abortos repetidos;
v      Hipertensos;
v      Pessoas com alterações de metabolismo das gorduras (colesterol anormal, triglicerídeos aumentados).
 
 Complicações Agudas da Diabetes
1.      HIPOGLICÉMIA
-          É a baixa acentuada do açúcar no sangue (glicemia <70 mg/dl);
-          Os sinais de alerta são:
   - Astenia (falta de forças);
   - Cefaleias (dores de cabeça);
   - Tonturas, tremores e suores;
    - Sono agitado.
Quando estiver nesta situação coma imediatamente 1 ou 2 pacotes de açucar ou uma bebida açucarada.
2.      COMA DIABÉTICO
-          Há falta de produção ou utilização da insulina;
-          No sangue há aumento acentuado do açucar;
-          Na urina há aparecimento de açúcar e de corpos cetónicos;
-          Os sinais de alerta são:
        Poliúria e polidipsia;
       Polifagia e emagrecimento;
       Náuseas, cansaço fácil e mal-estar;
-          Quando se encontrar nesta situação recorra ao Serviço de Saúde mais próximo.
 Insulina
-          É uma hormona produzida pelo pâncreas, cuja função é descer o açúcar no sangue;
-          No diabético a sua produção é insufuciente ou não existe, pelo que é necessário receitá-la como medicamento.
-          As instruções de utilização devem ser rigorosamente cumpridas:
-        Guarde a insulina na porta do frigorífico, na parte mais baixa;
-       Agite bem a embalagem antes de preparar a dose;
-       Certifique-se que toma a dose adequada;
-       Coma imediatamente, após a administração de insulina;
-       Respeite os locais de administração indicados pelo seu médico.
  A Dieta do Diabético
A dieta constitui o pilar fundamental do tratamento da Diabetes.
Seguir à risca o regime alimentar aconselhado oelo médico assume uma importância enorme, já que constitui uma medida eficaz para prolongar a vida.
Todos os doentes devem cumpri-la, pois com esta simples medida consegue-se manter compensados mais de 1/3 dos Diabéticos.
Os alimentos elevam o nível de açúcar no sangue, mas nem todos o fazem da mesma maneira, pelo que um esquema alimentar adequado favorece, em muitos casos, a reduçõ dos níveis de glicose.
Com a dieta, pretende-se atingir um peso ideal, favorecer o desenvolvimento normal no caso das crianças e manter os níveis de glicose o mais próximos possível dos valores normais.
A necessidade de dieta é tão antiga como a própria Diabetes. Antes, os regimes eram restritos, embora actualmente sejam estabelecidos em relação com as necessidades de cada doente.
 
Os Alimentos
Todas as funções do organismo envolvem um gasto de energia. Esta energia provém dos alimentos que ao se decomporem são formados por substâncias a que chamamos nutrientes.
Estes nutrientes produtores de energia, são: hidratos de carbono, gorduras e proteínas. Mas os alimentos também são compostos por vitaminas, sais minerais e água, que não têm valor calórico nem energético.
Na dieta do Diabético, como na de todas as pessoas, é necessário que haja equilíbrio entre todos os nutrientes.
Os hidratos de carbono produzem energia (1 grama produz 4 calorias) e encontram-se nos cereais, legumes, batatas e em diversas frutas.
As gorduras produzem muita energia e acumulam-se para serem utilizadas posteriormente pelo organismo (1 grama de gordura produz 9 calorias). São principalmente fornecidas pelo azeite, manteiga, toucinho, banha, etc.
As proteinas também produzem energia (4 calorias por cada grama) e contribuem fundamentalmente para a formação dos tecidos, dos músculos, etc. As de origem animalsão fornecidas principalmente por alimentos como a carne, o peixe, os ovos, o leite e o queijo. As de origem vegetal, encintram-se sobretudo nos legumes.
As vitaminas e sais minerais não têm valor calórico e são fornecidas principalmente pelas hortaliças, os legumes e as frutas.
 
Esquema Alimentar
No esquema alimentar do Diabético, os elementos nutritivos são repartidos diariamente.
O valor calórico total depende de muitos factores, tais como: idade, sexo, actividade física e existência ou não de excesso de peso corporal.
25 calorias/Kg de peso corporal/dia na mulher e 30 calorias/Kg de peso corporal/dia no homem, são as quantidades recomendadas para os não obesos que praticam um exercício físico moderado.
A distribuição dos nutrientes deve ser efectuada como se segue:
v  50-60% sob a forma de hidratos de carbono (100g/dia, como mínimo)
 v  25-30% sob a forma de gorduras;
v  15% sob a forma de proteínas.
Do grupo dos hidratos de carbono há que evitar, na medida do possível, a administração de açúcares simples. As proteínas devem ser de origem animal, pelo menos numa percentagem de 50%. A outra metade deverá ser de oeigem vegetal.
O número de refeições diárias recomendado deve ser de seis:
Três refeições principais (pequeno almoço, almoço e jantar) e outras três intercaladas (a meio da manhã, lanche e antes de deitar).
Deste modo, evitar-se-ão variações bruscas dos níveis de glicose.
O relógio e a balança são indispensáveis na dieta do Diabético. Um esquema alimentar correcto deve ser bem calculado e devidamente ponderado, adaptando-se a um determinado horário.
A dieta “livre” nunca deve ser aplicada.
 
Alterações à Dieta
Para não cair na monotonia, deverá ser utilizada uma tabela de equivalências que permite fazer a substitução de uns alimentos por outros.
A dieta variará em função da idade, sexo, actividade física e existência ou não de excesso de peso, tendo em conta outras circunstâncias, tais como: gravidez, tensão arterial, existência de acetona no sangue, ou qualquer alteração no metabolismo lipídico.
Os alimentos ricos em fibra são aconselháveis, na medida em que ajudam a diminuir as oscilações dos níveis de glicose. Por esse motivo, o consumo de pão e dos chamados produtos integrais, é muito favorável para os diabéticos.
Os “alimentos especiais para Diabéticos” não são geralmente aconselháveis (consulte o seu médico ou nutricionista).
As bebidas alcoólicas fornecem calorias, pelo que podem desiquilibrar a dieta.
O adoçante mais adequado para Diabéticos é a sacarina.
Os refrigerantes, mesmo os amargos, contêm geralmente açúcar, com excepção dos refrigerantes “light”.
Lembre-se que:
v  A dieta é o pilar de base do tratamento da Diabetes;
v   A dieta não significa restrição, mas sim um esquema alimentar específico;
v   A dieta não deve ser rotineira;
v  Reparta os alimentos por cinco ou seis refeições diárias, não passando mais de três horas sem comer;
v  É um erro crer que o bom cumprimento da dieta consiste unicamente na não ingestão de açúcar ou doces;
-          Hidratos de carbono são por exemplo:
§         Batata,
§         Arroz,
§         Massa,
§         Pão,
§         Bolachas,
§         Bolos.
-          Hidratos de carbono aumentam o açúcar no sangue quando ingeridos de forma incorrecta;
-          Comer hidratos de carbono de forma irregular e em quantidades insuficientes pode provocar hipoglicémia, especialmente se toma insulina;
-          A melhor forma de tratar uma hipoglicemia é preveni-la.
 Recomendações:
v      Não se esqueça de nenhuma refeição e coma a horas certas (3 em 3 horas);
v      Pode tomar bebidas dietéticas e sumos naturais sem açucar;
v      Beber bebidas alcoólicas sem comer pode provocar hipoglicémia;
v      Se aumentar a sua actividade física habitual podeajudar abaixar oaçúcar no sangue;
v      Se praticar exercício físico exagerado deve comer mais hidratosde carbono;
v      Em caso de febre, vómitos ou diarreia deve dirigir-se, imediatamente, ao Centro de Saúde ou Hospital mais próximos;
v      Traga sempre açúcar consigo;
v      Identifique-se sempre como Diabético a tomar insulina;
Traga o seu Guia do Diabético, sempre, consigo. Mantenha-o em bom estado, consulte-o e saiba os seus direitos e deveres.


publicado por Dra. Joana Azevedo às 18:50
link do post | comentar | ver comentários (3) | adicionar aos favoritos

Dra. Joana Azevedo
Podologista
Licenciada pela Escola Superior de Saúde do Vale do Ave. Especialização no New York College of Podiatric Medicine (NYCPM). Exerce actividade clínica desde 2003 com cédula profissional nº 128 da Associação Portuguesa de Podologia. Membro fundador do Núcleo de Podologia da ESSVA. Podologista do canal Sapo Saúde desde 2005. Actualmente tem consultórios no Estoril e em Oeiras.

logo new york college of podiatric medicine-1
Consultórios:

Clínica Parque do Estoril - Grupo Cordeiro Saúde
Tel. 219236381
Av. Aida, 153 Lj - 2765-187 Estoril
(em frente ao jardim do casino, a 50m da estação da CP do Estoril)

Clínica Navegantes
Tel. 214412533
Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 14A 2780-240 Oeiras
(junto da biblioteca de Oeiras e dos SMAS - Serviços Municipalizados de Oeiras)

Vídeos
posts recentes

O Calçado e o doente Diab...

Pé diabético e seus cuida...

Diabetes Mellitus

links
arquivos

Dezembro 2017

Agosto 2017

Março 2017

Novembro 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Setembro 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Maio 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Maio 2008

Janeiro 2008

Outubro 2007

Setembro 2007

blogs SAPO
subscrever feeds
Imagem de fundo: David Hofmann.