Bem-vindo(a) à Linha Podológica. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Podologia, a ciência da área da saúde humana responsável pela investigação, prevenção, diagnóstico e tratamento dos problemas de saúde do pé e das suas repercussões no corpo humano.

Espero que este blog lhe seja útil!
Este blog foi feito a pensar na saúde e bem-estar dos seus pés. Espero que lhe seja útil! Compostos por 26 ossos, 33 articulações, 20 músculos e mais de 100 ligamentos, os pés são o alicerce de todo o corpo, e é deles que depende o equilíbrio do aparelho locomotor. A saúde e o bem estar dos nossos pés deve ser mais do que uma simples preocupação estética e requer os cuidados especializados de um Podologista.

Pesquisar

 

Artigos

Tags

todas as tags


Quinta-feira, 19 de Maio de 2016

Podologia, Podologistas/Podiatras - onicomicoses - Novo tratamento laser para fungos nas unhas

As onicomicoses (micoses que afectam as unhas), devem-se à presença de fungos nas unhas que, tal como na pele, originam alterações no local onde se encontram.

 
Nas unhas é frequente observarmos que estas ficam mais grossas, com aspecto envelhecido, com coloração diferente, que pode ser esbranquiçada, amarelada, etc. Pode apresentar-se descolada do leito, ou apresentar depósitos “farinhentos” que frequentemente cheiram mal.
Com o avançar da patologia é frequente a unha encravar. Em estados avançados da doença o crescente engrossamento da lâmina ungueal pode dificultar o uso de sapatos fechados podendo provocar dores e mal estar constantes.
 
O tratamento local desta patologia não é complicado nem doloroso se tratado por um podologista. Na maioria das vezes demora entre 6 e 8 meses. Nos casos mais avançados pode demorar um ano ou mais até à cura completa. Nos estados iniciais de onicomicose pode demorar menos de 6 meses, mas são casos mais raros.
 
Este é o tempo necessário para que a unha cresça na totalidade, já que cresce apenas cerca de 2mm por mês e é fundamental manter o tratamento até à completa substituição/regeneração da unha afectada.
 
O tratamento só é eficaz se juntamente com o tratamento farmacológico forem feitos tratamentos podológicos mensais, bimensais ou trimensais dependendo do grau de afectação das unhas.
 
Os tratamentos de onicomicose consistem no rebaixamento das unhas, procedimentos de limpeza e reeducação ungueal, este último processo é fundamental para garantir o correcto crescimento da unha sem que encrave ou perca o seu trajecto e configuração normais.
O arrancamento das unhas bem como a eliminação da matriz para que a unha não cresça mais (matricectomia total), não são tratamentos de eleição para este tipo de patologia.
 
 Este é um processo que requer técnicas e meios específicos, pelo que o recurso a um podologista é fundamental para que possa receber o tratamento adequado, ser esclarecido e aconselhado sobre o tratamento que deverá seguir em casa de forma continuada até ao fim do tratamento.

O tratamento com antifúngico tópico passa pela aplicação do tratamento, em forma de verniz, creme ou spray, nas unhas afetadas. Normalmente eficaz em infeções iniciais. Em unhas muito afetadas não é eficaz, principalmente se o fungo já atingiu a matriz ungueal- células que produzem a unha. A absorção do tratamento por parte da unha é reduzida.

Atualmente existem tratamentos a Laser, que permitem diminuir substancialmente o tempo de tratamento. São tratamentos inovadores e uma alternativa eficaz, indolor, sem efeitos secundários e rápida para o tratamento da onicomicose.

Tratamento a Laser para fungos nas unhas (onicomicose)

Habitualmente o tratamento a laser é feito em 3 sessões, com intervalos de 15 dias a 1 mês entre elas.
Ensaios clínicos demonstram que após o primeiro procedimento, mais de 70% dos casos apresentam melhorias, aumentando para 90% a taxa de sucesso do tratamento com mais de 2 sessões.

Vantagens do tratamento a laser:
pode ser realizado em grávidas e no período de amamentação
pode ser realizado em pacientes polimedicados
indolor
resultados rápidos
boa adesão à terapêutica, sem abandonos no decurso do tratamento, por ser bastante rápido.

A clínica Parque do Estoril (219236381) já disponibiliza este tratamento aos seus pacientes.

 

Joana Azevedo

Podologista


publicado por Dra. Joana Azevedo às 13:48

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2014

Podologia, Podologistas, Micoses

Alterações da Pele/Prevenção, Diagnóstico e Tratamento das alterações da pele dos pés

 

A pele é o maior órgão do corpo humano, reveste-o externa (epiderme e derme) e internamente (mucosas), é resistente, flexível e relativamente impermeável, dotada de uma grande capacidade de auto-reparação.

Das suas funções destaca-se a aparência (forma e relação com o exterior) e a protecção (defesa).

Existem muitas lesões e alterações que podem afectar a pele, podemos destacar algumas, tais como:

     Manchas ou máculas

     Pápulas, nódulos, tumores

     Vesículas, bolhas, pústulas

     Nevos ou sinais

     Escamas, crostas, escoriações, gretas, ulceração, cicatriz

     Necrose, gangrena

     Verrugas

     Espessamentos (calosidades)

     Pele seca

     Micoses

     Excessos de transpiração

     Mau cheiro

     ...

 

A manutenção da higiene da pele é extremamente importante para a manutenção da sua integridade.

A higiene diária e a escolha de roupa e calçado adequados são fundamentais para a saúde da pele.

Observar diariamente os seus pés e algumas alterações da pele como sinais ou manchas é um hábito essencial para prevenir o aparecimento de lesões complicadas.

Os cuidados diários permanentes e a visita regular ao seu Dermatologista, contribuem para a saúde e integridade da sua pele.

 

  

Micoses

 

As micoses são uma das alterações mais frequentes da pele, podem aparecer na pele e nas unhas e podem ter diferentes formas, aspectos ou sintomas.

Os fungos são os seres causadores das micoses e são os responsáveis pelos maus cheiros, comichões e outros sinais e sintomas característicos das micoses.

Existem mais de 100.000 espécies de fungos, destas cerca de 150 trazem malefícios para o Homem e animais.

Mas nem tudo é prejudicial no mundo dos fungos, na realidade são muito úteis em numerosos processos de fabricação de pão, cervejas, vinhos e determinados tipos de queijo.

Também são usados na produção de medicamentos (antibióticos e imunosupressores) e são responsáveis pela decomposição de matéria orgânica.

Das muitas formas de fungos destacam-se os dermatófitos e as leveduras, por serem dos que mais frequentemente causam malefícios para o Homem.

Os dermatófitos são responsáveis por micoses como o pé-de-atleta e tinhas (dermatofitias). As leveduras são a causa de candidiase.

Tratam-se de micoses superficiais, sendo que as primeiras (pé-de-atleta e tinhas) raramente invadem camadas mais profundas do corpo. A candidiase pode invadir camadas profundas do corpo e em casos cronicidade arrastada pode ser bastante grave.

É importante perceber que alguns dos fungos que aqui se falam vivem na superfície da nossa pele e habitualmente não provocam doenças em indivíduos física e psicologicamente saudáveis. Tornam-se oportunistas e causam doença quando o indivíduo se encontra imunodeprimido ou doente e portanto mais vulnerável.

  

 

Então qual é a melhor forma de prevenir as micoses nos pés?

 

Se tivermos em conta o que foi dito anteriormente é fácil perceber que um corpo e mente saudáveis são os principais segredos para que tudo esteja bem com o nosso corpo e consequentemente com os nossos pés.

 

Contudo existem hábitos que devem fazer parte do nosso dia a dia para prevenir o aparecimento das micoses:

 

     Lave os pés todos os dias, com água e sabão neutro;

     Seque cuidadosamente os pés e os espaços entre os dedos, sem esfregar ou irritar a pele;

     Observe diariamente os pés para detectar precocemente alguma alteração da pele e unhas;

     Use meias com mais de 90% de fibras naturais (como algodão);

     Troque de meias todos os dias (se sofre de hiperhidrose - excesso de transpiração, deve trocar de meias mais do que uma vez por dia para manter o pé seco);

     Alterne o calçado, para que estejam bem secos e arejados quando os calçar novamente;

     Use sapatos confortáveis (amplos e 1 a 2cm maiores do que o pé);
     Se possível use um aparelho de esterilização de calçado, para eliminar eficazmente, fungos, bactérias e vírus; bem como a humidade e o mau cheiro do calçado. Estes aparelhos são extremamente úteis pois evitam que o calçado continue a ser um foco de contágio permanente;

     Não calce meias ou sapatos de outras pessoas, especialmente se sabe que tem micose;

     Nunca ande descalço em piscinas ou balneários públicos (e evite as águas paradas à volta das piscinas e lava pés);

     Se transpira muito dos pés, use um pó, gel, creme, bálsamos, espuma ou spray que controle a transpiração, este poderá ser aconselhado pelo seu podologista, para que seja adequado ao seu caso;

     Não trate as suas próprias calosidades, procure um podologista, para que possa receber o tratamento adequado;

     Aplique diariamente um creme hidratante, tendo cuidado de não humedecer demasiado os espaços entre os dedos (após a aplicação do creme deve retirar o excesso entre os dedos com papel ou toalha seca) ;

     Corte as unhas de forma recta para evitar que encravem;

     Sempre que observar alguma alteração ou sentir dor, mal estar ou comichões nos pés procure um Podologista;

     Pratique exercício físico e não fume, são dois dos principais contributos para uma vida saudável e consequentemente para um corpo e pés saudáveis;

     Consulte um Podologista periodicamente, lembre-se que o melhor tratamento é a prevenção.

 

Resumidamente podemos dizer que bons cuidados de higiene com os pés e hábitos de vida saudáveis são os principais parâmetros para eliminar os factores desencadeantes das micoses.

 

 

Onde se encontram os fungos?

 

Os fungos encontram-se em diferentes locais, como o solo, a água, o ar, as plantas, e os animais.

É frequente existirem fungos capazes de provocarem micoses no Homem na terra de jardins, em locais onde se encontram animais ou nos seus detritos, pavimentos de balneários e piscinas, sapatos e vestuário e na areia das praias (onde sobrevivem até 6 meses).

A luz solar, temperaturas elevadas e a secura têm uma acção esterelizante, nestas condições, dificilmente os fungos se multiplicam.

Em conclusão pode-se afirmar que o solo é o principal reservatório de fungos patogénicos (capazes de causar malefícios para o Homem). Raramente se encontram fungos patogénicos nas plantas.

 

Como se “apanha” uma micose?

 

O habitat natural da maioria dos fungos é o solo e a principal fonte de contágio é o ar, através da inalação dos esporos dos fungos que se encontram em suspensão no ar.

Alguns fungos entram no corpo através de feridas provocadas por plantas com espinhos e por estrume.

As micoses também podem ser transmitidas de Homem a Homem ou por contacto com objectos contaminados.

Os fungos que habitam a superfície da nossa pele e que habitualmente não são causadores de doenças podem em determinadas situações provocar doenças, quando as condições são propícias ao seu desenvolvimento. Estas situações estão muitas vezes relacionadas com alterações do estado de saúde normal do indivíduo.

 

As micoses são contagiosas?

 

Sim. Na realidade as micoses são contagiosas, podendo ser transmitidas de Homem a Homem – transmissão directa – e podem também, ser transmitidas através de objectos e ou meios contaminados.

 

E como tratar uma micose nos pés?

 

Como já foi dito a higiene cuidada, os hábitos de vida saudáveis e o controlo da humidade dos pés são essenciais para a prevenção e tratamento das micoses nos pés.

Contudo, perante uma micose já instalada estes cuidados não são suficientes. É necessário, recorrer à ajuda especializada do seu Podologista, para que lhe indique qual a terapêutica e cuidados necessários.

É preciso ter em conta que cada caso é um caso e só um especialista pode indicar o que é melhor para o seu tratamento.

 

Ficam apenas alguns conselhos básicos, que fazem parte de um plano de tratamento de dermatómicose do pé:

 

     Utilize sempre uma toalha somente para os pés;

     Seque cuidadosamente os pés especialmente entre os dedos

     Siga correctamente o tratamento indicado pelo seu Podologista;

     Evite frequentar balneários e piscinas (principalmente, na fase aguda, quando existem vesículas e prurido), mas se for o caso utilize sempre chinelos, para evitar ser um foco de contágio para outras pessoas;

     Utilize sempre meias limpas de fibras naturais;

     Mantenha os pés sempre secos e areje sempre o calçado;

     Se a micose se encontra nas unhas - onicomicose - deverá realizar consultas periódicas de Podologia, afim de receber o tratamento adequado de limpeza das unhas, para optimizar o tratamento tópico domiciliário e conseguir tratar mais rapidamente o seu problema.

 Fonte: Joana Azevedo com excertos de Atlas de Dermatologia, Histopatologia da Pele, apontamentos aulas Dermatologia, Micologia, Patologia Clínica e Farmacologia

 


publicado por Dra. Joana Azevedo às 17:00

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20 de Novembro de 2012

Micoses

Os cuidados que protegem os seus pés desta patologia

Aparecem frequentemente quando as condições do meio se tornam ideais para o desenvolvimento de fungos.
«O ambiente quente, húmido, fechado e escuro que algum calçado proporciona é favorável ao desenvolvimento de fungos, que facilmente penetram na nossa pele», alerta Joana Azevedo, podologista.
O contágio é mais frequente em locais como piscinas e balneários públicos ou através de toalhas mal lavadas.
O tratamento local da patologia passa pelo «uso de antifúngicos locais e/ou orais, antissépticos, adstringentes e/ou queratolíticos», que devem ser aconselhados por um podologista ou por um dermatologista.
Como prevenir
É importante criar hábitos de higiene adequados, «lavando os pés com água e sabão neutro, e secando cuidadosamente os espaços entre os dedos, sem esfregar a pele».
Joana Azevedo aconselha arejar e alternar o calçado e diz que «o uso de meias 100% de algodão é fundamental para evitar o aquecimento da pele, bem como evitar reações adversas por contacto com fibras sintéticas, servindo também para absorver a transpiração». Para além disso, observe os pés regularmente e trate de imediato o pé de atleta (micose frequente) para evitar a sua progressão.

Fonte:

Texto: Cláudia Vale da Silva com Joana Azevedo (podologista na Clínica Parque do Estoril)
A responsabilidade editorial desta informação é da revista PREVENIR.


publicado por Dra. Joana Azevedo às 19:48

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Pé de atleta

"A designação «pé de atleta» é vulgarmente entendida como a infecção dos pés por fungos denominados «dermatófitos»

O que é o pé de atleta ?
A designação «pé de atleta» é vulgarmente entendida como a infecção dos pés por fungos denominados «dermatófitos». Também se denomina correntemente como micose dos pés, uma vez que qualquer infecção por fungos é uma micose. Esta palavra tem origem grega (mikos) e significa precisamente fungo.
A infecção localiza-se sobretudo nas pregas interdigitais dos pés, sobretudo na que une o 4º e 5º dedos. Causa prurido, descamação, maceração e fissuras. Pode estender-se às outras pregas interdigitais, ao sulco comum dos dedos e à superfície plantar dos pés. Atinge também as unhas. Pode disseminar-se para outras áreas da pele, especialmente para as virilhas.
O doente com pé de atleta pode contagiar outras pessoas?
Pode, a doença é contagiosa. A transmissão efectua-se pelos esporos do fungo - especialmente em locais fechados e pouco arejados. Pensa-se que a humidade possa também constituir factor favorável à disseminação. Contudo, os fungos que originam o pé de atleta não revelam grande virulência. Pensa-se ser mais importante certa susceptibilidade individual, que facilita a infecção, mas cuja natureza é ainda desconhecida.
O que são fungos dermatófitos?
São fungos que se desenvolvem efectivamente na pele humana e de animais, por meio de estruturas filamentosas ramificadas e septadas denominadas "hifas". O conjunto das hifas constitui o chamado "micélio", o qual se nutre de uma proteína existente na superfície da pele denominada ceratina. Por esta razão são também denominados fungos ceratinofílicos.
Há mais do que um tipo de fungo dermatófito?
Os fungos dermatófitos que mais frequentemente causam o pé de atleta pertencem a dois géneros - Trichophyton e Epidermophyton. Destes, as espécies Trichophyton rubrum e Trichophyton mentagrophytes são as mais comuns. A frequência de T. rubrum tem vindo a aumentar ao longo dos últimos decénios.

Como se transmite o pé de atleta?
O problema da possível contaminação ambiental por fungos causadores de pé de atleta em ginásios, piscinas, instalações de apoio dos veraneantes e praias tem sido estudado em Portugal, à semelhança do que sucede em outros países.
No entanto, importa salientar que o número de géneros e espécies de fungos existentes no ambiente é normalmente muito elevado, mas que apenas alguns originam pé de atleta e outras micoses.
No Laboratório de Micologia da Clínica Dermatológica Universitária de Lisboa foram conduzidos estudos referentes à contaminação por fungos causadores destas micoses em balneários, ginásios e areias de praias.
Um destes estudos incidiu sobre balneários de 5 ginásios em Lisboa (l84 amostras) e 6 vestiários de praias da zona de Lisboa (91 amostras), estes últimos durante a época balnear.
As colheitas efectuaram-se em ralos dos duches, estrados de madeira dos duches, lava-pés, tampos de sanitas, bancos de madeira e áreas de apoio de pés descalços. Isolaram-se 26 estirpes de fungos dermatófitos nos balneários dos ginásios (11 T. mentagrophytes var. interdigitale, 12 T. mentagrophytes var. granulare e 3 T. terrestre) e 2 estirpes de T. mentagrophytes var. interdigitale nos balneários das praias.
Outro estudo incidiu sobre 20 praias no período de verão. As colheitas de areia para análise efectuaram-se ao fim da tarde, em 3 locais distintos: junto à orla marítima; junto ao terreno limitante da praia; em plena praia, a meia distância entre os dois pontos referidos.
Sempre que possível a colheita foi efectuada em pontos de impressão de pés descalços. Não se isolaram fungos dermatófitos. Em um único caso isolou-se uma estirpe de M. gypseum. Identificaram-se, contudo, numerosas estirpes de fungos não causadores de micoses humanas.
Estes estudos, em conjugação com outros internacionais, permite concluir pela baixa probabilidade de contaminação das areias das praias por fungos dermatófitos, provavelmente por falta de condições para a sua sobrevivência.
Pelo contrário, a contaminação de ginásios e de balneários constitui fonte importante de contágio do pé de atleta e de outras dermatofitias, a exigir cuidados sanitários adequados."

Fonte: canal sapo saúde_consultorios

A responsabilidade editorial e científica desta informação é da Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venearologia


publicado por Dra. Joana Azevedo às 19:37

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 2 de Novembro de 2011

...

Pergunta:
Boa tarde!
Sou a Sofia R. e tenho 22 anos, e tomei conhecimento do seu blog ao pesquisar na internet ajuda para resolver um problema que tenho com os meus pés.
 
Passo a explicar o que me aconteceu: No passado dia 20 de Outubro tive um jantar de curso, como sabia que iria passar muitas horas de pé e a dançar decidi não calçar sapatos de salto alto, mas sim umas sabrinas, de salto raso. Durante a tarde desse dia andei com as tais sabrinas calçadas, para tentar que a frente fosse alargando, visto não as calçar frequentemente.
 
Passei grande parte da noite de forma confortável, mas chegou a uma altura em que comecei a ficar com os pés muitos inchados, algo que me costuma acontecer quando passo muito tempo em pé, e comecei também a ter dores nos 1ºs dedos de ambos os pés, algo que também me costuma acontecer e sem ser necessário estar tanto tempo com determinado tipo de calçado.
 
Mas, acontece que quando me descalcei vi que não era o fato de os meus pés estarem inchados, nem estavam muito, a causa das minhas dores, mas sim os dedos grandes de ambos os pés. Estes estavam inchados, e ao tocar nas unhas doía-me imenso. Passada quase uma semana os meus dedos continuam inchados, as unhas com tom escuro, parecendo estar levantadas, e tenho dores, até quando toco nas unhas.
 
Mas, ontem, dia 25 de Outubro estive a cortar as unhas, cuidadosamente, mas, quando estava na unha do 1º dedo do pé direito, o corta-unhas espetou um pouco na pele e saiu líquido (de tom avermelhado e transparente), parecia que tinha rebentado uma bolha de água. Depois, experimentei a espetar, com uma agulha, com cuidado, a pele por baixo das unhas de ambos os pés e foi saindo sempre líquido. Começou a deixar de sair. Esta manhã voltei a fazer o mesmo procedimento, tornou a sair líquido, fui espetando e apertando as unhas até deixar de sair....Mas sinto e vejo que há mais por baixo das unhas. Estas ainda mantêm um tom escuro.
 
Peço desculpa por mandar um e-mail tão longo, mas preciso saber o que devo fazer, que medicamentos devo aplicar.
 
Sem mais assunto de momento, desde já agradeço a atenção.
 
Cumprimentos, Sofia R.
 

Resposta:

Cara Sofia,

os sapatos ou sabrinas que utilizou realmente foram os causadores deste problema. Habitualmente este calçado apesar de largo, tem uma biqueira baixa o que pressiona muito a ponta dos dedos.

O líquido ensanguentado que descreve é processo inflamatório com sangue provocado por microtraumatismos de repetição causados pelo sapato. Levaram ao rompimento de capilares ou pequenos vasos por baixo das unhas e consequentemente provocaram um hematoma subungueal.

Nestes casos o melhor que se faz é drenar o conteúdo inflamatório e hemático, para retirar a pressão e aliviar a dor.

Numa primeira fase e durante alguns dias, deve-se aplicar um antisséptico à base de iodo ou clohexidina para quem é intolerante ao iodo. e pode-se aplicar uma pomada antibiotica para prevenir infecções bacterianas.

Após a cicatrização deve-se iniciar um tratamento antifúngico preventivo, pois é muito frequente a instalação de uma infecção fúngica após um traumatismo ungueal.
Para isso deve recorrer a um podologista para realizar uma limpeza adequada da unha e aplicar um antifúngico adequado ao seu problema.

Cumprimentos,

Joana Azevedo
Podologista

Clínica Parque do Estoril / Clínica da Beloura
Tel: 219236381/0

 


publicado por Dra. Joana Azevedo às 11:31

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

Dermatomicose/Micose na Pele/Dermatofitia

 Dermatomicose / Micose na pele

 

 

 

Dermatomicose após primeira fase do tratamento

 

 

 

 


publicado por Dra. Joana Azevedo às 12:40

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 23 de Maio de 2008

Onicomicoses/Micoses nas Unhas

 

As onicomicoses (micoses que afectam as unhas), devem-se à presença de fungos nas unhas que, tal como na pele, originam alterações no local onde se encontram.
 
Nas unhas é frequente observarmos que estas ficam mais grossas, com aspecto envelhecido, com coloração diferente, que pode ser esbranquiçada, amarelada, etc. Pode apresentar-se descolada do leito, ou apresentar depósitos “farinhentos” que frequentemente cheiram mal.
Com o avançar da patologia é frequente a unha encravar. Em estados avançados da doença o crescente engrossamento da lâmina ungueal pode dificultar o uso de sapatos fechados podendo provocar dores e mal estar constantes.
 
O tratamento desta patologia não é complicado nem doloroso se tratado por um podologista/podiatra. Na maioria das vezes demora entre 6 e 8 meses. Nos casos mais avançados pode demorar um ano ou mais até à cura completa. nOs estados iniciais de onicomicose pode demorar menos de 6 meses, mas são casos mais raros.
 
Este é o tempo necessário para que a unha cresça na totalidade, já que cresce apenas cerca de 2mm por mês e é fundamental manter o tratamento até à completa substituição/regeneração da unha afectada.
 
O tratamento só é eficaz se juntamente com o tratamento farmacológico forem feitos tratamentos podológicos mensais, bimensais ou trimensais dependendo do grau de afectação das unhas.
 
Os tratamentos de onicomicose consistem no rebaixamento das unhas, procedimentos de limpeza e reeducação ungueal, este último processo é fundamental para garantir o correcto crescimento da unha sem que encrave ou perca o seu trajecto e configuração normais.
O arrancamento das unhas bem como a eliminação da matriz para que a unha não cresça mais (matricectomia total), não são tratamentos de eleição para este tipo de patologia.
 
Como deve perceber este é um processo que requer técnicas e meios específicos, pelo que o recurso a um podologista/podiatra é fundamental para que possa receber o tratamento adequado, ser esclarecido e aconselhado sobre o tratamento que deverá seguir em casa de forma continuada até ao fim do tratamento.
 

publicado por Dra. Joana Azevedo às 10:03

link do post | comentar | ver comentários (40) | favorito

Domingo, 13 de Janeiro de 2008

Onicomicose/Micose nas unhas

Nome: Sandra Silva

Localidade: pindelo-Oliveira de Azemeis

Telefone:

Email: sandrarsilva@hotmail.com

Como tratar unhas com aspacto esvelhecido, ligeiramente levantadas à medida que esse aspecto branco vai alastrando?

 


publicado por Dra. Joana Azevedo às 20:42

link do post | comentar | favorito

Dermatomicoses/Micose na pele

Nome: Sandra Silva
Localidade: pindelo-Oliveira de Azemeis
Telefone:
Email: sandrarsilva@hotmail.com
Pergunta: Como tratar pés que usualmente têm comichão?
Qual a melhor forma de cuidarmos da higiéne da dos pès evitando maus odores sem agredirmos a pele?
Resposta:

publicado por Dra. Joana Azevedo às 20:38

link do post | comentar | favorito

Dra. Joana Azevedo
Podologista
Licenciada pela Escola Superior de Saúde do Vale do Ave. Especialização no New York College of Podiatric Medicine (NYCPM). Exerce actividade clínica desde 2003 com cédula profissional nº 128 da Associação Portuguesa de Podologia. Membro fundador do Núcleo de Podologia da ESSVA. Podologista do canal Sapo Saúde desde 2005. Actualmente tem consultórios no Estoril.

logo new york college of podiatric medicine-1
Consultórios:

Clínica Parque do Estoril - Grupo Cordeiro Saúde
Tel. 219236381
Av. Aida, 153 Lj - 2765-187 Estoril
(em frente ao jardim do casino, a 50m da estação da CP do Estoril)



Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Vídeos

Ligações

blogs SAPO

subscrever feeds